sexta-feira, 9 de abril de 2010

Meu destino meu passado, presente, futuro ...


Na vida, as mudanças ocorrem inevitavelmente e, certas vezes, quando isto acontece, surge a certeza de que nunca deixaremos de sentir falta daquilo que um dia já foi tão significativo a ponto de fazer parte de nós ou de nos fazer pensar que jamais poderíamos viver sem.

Como diria Spielberg, amar é como morrer, ir até o céu e voltar com vida; pode representar o céu e o inferno, segundos depois.

Agora a necessidade é de aprender a conter a tristeza diante de um jogo de xadrez, de uma escova de dente, daquela música infantil ou certa reportagem a ser criticada.

"Acabamos aprendendo que o que desejamos nem sempre é o que nos faz feliz, mas nos torna melhores a medida em que Deus sabe que é aquilo que precisamos".

Que Ele nos oriente e conforte agora e sempre, porque não dá para aprender a "desamar"!

***P.S.:Essa é a dor que mais dói***

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir